Como os bebês se comunicam?

Essa é uma pergunta muito interessante e se você acredita que a comunicação acontece a partir da fala, então, prepare-se para uma grande descoberta: os bebês se comunicam muito antes de falar!

É isso mesmo. O desenvolvimento da linguagem do bebê acontece ainda dentro da barriga da mãe. Quando nasce, a comunicação se estabelece por diferentes maneiras antes mesmo que a primeira palavrinha escape de sua boca.

A primeira forma de comunicação dos bebês é o choro. É dessa forma que eles comunicam o que sentem: fome, sede, cansaço, desconforto e dor. E, o mais incrível é que para cada sentir há um tipo de choro e, aos poucos, os cuidadores vão apurando os sentidos e entendendo o que seus bebês estão comunicando mesmo sem falar qualquer palavra.

Outra forma de se comunicar é por meio do sorriso. Eles podem sorrir para expressar que estão confortáveis, por exemplo, depois de se alimentar ou ao se aconchegar no colo da mãe. É importante saber também que os bebês aprendem – e copiam! – expressões faciais de raiva e alegria.

Essas maneiras de se comunicar estão presentes do nascimento até os três meses de vida, mas, com o passar do tempo, a comunicação recebe novos contornos.

Vamos conversar?

Entre os 3 e 6 meses, a comunicação começa a se estabelecer com gritos, resmungos e repetições de sílabas. É nesse período que surgem os primeiros balbucios com sílabas repetidas, como “papapa” e “dadada”. 

Embora ainda não tenham maturidade cerebral para formar palavras, os bebês já percebem as entonações e as melodias da fala e conseguem copiá-las. É aquela fase bonitinha em que parecem conversar em uma linguagem que só eles entendem. 

Se antes você se sentia meio estranha por conversar com o bebê, agora é a hora de naturalizar esse processo. Posicione o pequeno de frente para o seu rosto e, bem próximo a ele, cante, fale e repita sons. A literatura é uma enorme aliada aqui. Leia com seu bebê e ajude-o a se familiarizar cada vez mais com a sonoridade das palavras, para que possa criar um repertório de sons, gestos e palavras.

Qual será a primeira palavra?

Por volta de 1 ano, o bebê já é capaz de responder a comandos simples, como ‘não’ e apontar para os objetos em que tem interesse. Esse é o momento de estimular a linguagem do pequeno e para isso é muito importante posicionar o bebê como falante. Isso significa que quando ele apontar para a água, ao invés de simplesmente entregar o copo com o líquido, converse: “ah, você quer água! Aqui está seu copo de água”. 

A primeira palavra de Mara, de Ángel Domingo e Miguel Tanco. Compre na Loja da Jujuba!

O livro A primeira palavra de Mara, de Ángel Domingo e Miguel Tanco, aborda de forma leve e divertida justamente essa expectativa pela primeira palavra das crianças. Embora esse título não seja para bebês, indiretamente, ele fala sobre bebês, porque conta a história da expectativa da família em torno da primeira palavra que a pequena Mara falaria. Enquanto a família do pai torcia para que fosse “papai”, a família da mãe torcia ao contrário. Os pais, por sua vez, sussurravam no ouvido da pequena as palavras “papai” e “mamãe”, na tentativa de deixarem o outro feliz.

No fim, a primeira palavra de Mara foi algo divertido e inusitado e teve a influência de seu irmão mais velho.

A explicação para isso mora de novo nesse ensinamento: para que a criança fale é preciso posicioná-la como um falante. Ou seja, não basta sussurrar palavras em seu ouvido. É preciso que haja conexão, envolvimento, diversão. E uma ótima maneira de se conseguir isso é por meio da literatura e do brincar.

Então, que tal experimentar?

Compartilhar Post
Escrito por
Sem Comentários

Deixe um comentário